Cosmético Infantil


Já é fato que o consumo de cosméticos infantis vem crescendo notoriamente no Brasil, o que aumenta a exigência dos consumidores e a fiscalização dos órgãos regulatórios.

A escolha do cosmético infantil está atrelada a atenção que as empresas dispensam desde a fabricação até a disposição nas prateleiras. Quanto maior o cuidado com as informações da embalagem, maiores as chances deste cosmético conquistar a confiança do consumidor.

Para o registro de cosméticos infantis no Brasil, a ANVISA solicita e analisa uma série de documentos e exigências com a finalidade de proteger e resguardar a saúde desse publico.

Os ensaios conduzidos pelo CEPAD são monitorados por pediatras e dermatologistas durante todo o período de ensaio com a supervisão dos pais e responsáveis. O produto é inicialmente avaliado pelos médicos investigadores juntamente com o protocolo de estudo para minimizar possíveis riscos e reações.

A ANVISA disponibiliza cartilha destinada a empresas fabricantes de cosméticos infantis com os principais cuidados relativos à formulação e exigências.

ENSAIOS CLÍNICOS INFANTIL

NÃO IRRITA OS OLHOS: ensaio destinado a suportar claims a produtos infantis, maquiagens e outros produtos que eventualmente podem estar em contato com a região ocular.

Este ensaio clínico é conduzido com a avaliação de médico oftalmologista para classificação do potencial irritativo e o potencial de risco relativo ao uso para região ocular.

A duração do ensaio é relativamente pequena, pois reações alérgicas oculares aparecem geralmente imediatamente após o uso do produto. É possível incluir neste ensaio se utilizado em condições reais de uso apreciabilidade relativas a eficácia do produto.

SEM LÁGRIMAS – NO TEARS: ensaio destinado a suportar claims a produtos infantis, tais como shampoo, sabonetes líquidos e outros que eventualmente entram em contato diretamente com a região ocular.

Este ensaio clínico é conduzido com a avaliação de médico oftalmologista para classificação do potencial irritativo e o potencial de risco relativo ao uso para região ocular.

O ensaio é conduzido em voluntários com idades a partir de 18 anos devido a realização do teste BUT ou Break up Time.

Realizado por médico oftalmologista o teste consiste na aplicação de colírio de fluorescência a 2% e auxílio de luz de cobalto da lâmpada de fenda que avalia a lagrima antes e depois da aplicação do produto.